ANEMIA: Conheça as Causas e os Sintomas

A anemia é a doença do sangue mais comum, afetando cerca de 25% das pessoas em todo o mundo. Mas não acontece somente por falta de ferro.

Para saber o que é anemia, deve-se saber…

…do que é feito o sangue?

O sangue é composto por um líquido chamado plasma e células. As células do sangue são:

  • glóbulos vermelhos (eritrócitos ou hemácias) que contêm hemoglobina
  • glóbulos brancos (leucócitos) que fazem parte do sistema imunológico e combatem a infecção
  • plaquetas que são pequenos fragmentos de células que ajudam o sangue a coagular

As células do sangue são produzidas na medula óssea, que é uma substância esponjosa no centro dos ossos.

Dentro da hemácia tem uma proteína chamada hemoglobina.

 

A hemoglobina, que tem ferro na sua composição, é a responsável por carregar o oxigênio captado nos pulmões até as células do corpo.

anemia vaso

O que é anemia?

A anemia é a condição na qual o sangue não consegue levar oxigênio suficiente para atender às necessidades do corpo.

Isso acontece em uma das duas situações:

  • quando há pouco sangue e, portanto, poucas hemácias, não havendo hemoglobina suficiente para carregar oxigênio – exemplo: hemorragia aguda
  • quando há poucas hemácias no sangue (que está em quantidade normal) e, portanto, pouca hemoglobina

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a presença de anemia, conforme a quantidade de hemoglobina no sangue:

  • abaixo de 13,0 g/dL para homens
  • abaixo de 12,0 g/dL para mulheres não grávidas
  • abaixo de 11,0 g/dL para mulheres grávidas
  • abaixo de 11,0 g/dL para crianças de 6 a 60 meses
  • abaixo de 11,5 g/dL para crianças de 5 a 12 anos
  • abaixo de 12 g/dL para adolescentes de 12 a 15 anos

A redução da quantidade de hemácias e de hemoglobina pode ter diversas causas. Isto é, existem diferentes tipos de anemia que são classificadas de acordo com a causa.

Causas de anemia

Então, já entendemos que o oxigênio captado nos pulmões é carregado pela hemoglobina, que é uma proteína que contém ferro, e esta hemoglobina está dentro da hemácia e a hemácia é produzida na medula óssea.anemia corrente sanguínea

Então, a anemia pode ser por:

  • Causas genéticas
    • defeitos na hemoglobina – exemplo: anemia falciforme
    • defeitos na membrana da hemácia – exemplo: esferocitose
  • Defeitos enzimáticos
    • deficiência da enzima glucose-6-fosfato desidrogenase
  • Causas por carências nutricionais ou por problemas na absorção de nutrientes
    • deficiência de ferro (anemia ferropriva)
    • deficiência de vitamina B12 (anemia perniciosa)
    • deficiência de ácido fólico
  • Causas hemorrágicas
    • hemorragias agudas: hemorragia maciça por trauma em um acidente, por exemplo
    • hemorragias crônicas: sangramentos em pouca quantidade relativamente, porém crônicos, como no sangramento menstrual excessivo, úlceras e tumores no tubo digestivo.
  • Doenças crônicas
    • lupus eritematoso sistêmico
  • Diminuição da produção de hemácias pela medula óssea
    • aplasia medular
    • leucemia (a medula fica “ocupada” em produzir leucócitos e diminui a produção de hemácias)
  • Anemia hemolítica (destruição das hemácias nos vasos sanguíneos) – em algumas causas acima, como os defeitos das hemácias, também ocorre anemia hemolítica, mas aqui citamos outros:
    • exposição a determinados produtos químicos, drogas e toxinas
    • transfusão de sangue de um doador com um tipo sanguíneo não compatível

Não é intenção deste texto falar sobre todas estas causas, mas vale concluir que nem toda anemia é por falta de ferro.

Os sintomas da anemia

Se anemia é a incapacidade de o sangue levar oxigênio para atender as necessidades dos órgãos do corpo, os sintomas serão relacionados à falta de oxigênio nos órgãos.

Esse reflexo da falta de oxigênio será principalmente sentido no cérebro e no coração, mas todo o corpo é afetado.

Os sintomas e sinais mais comuns de anemia são:

  • sensação de cansaço, fraqueza e indisposição
  • falta de ar
  • dificuldade de concentração
  • pele pálida
  • coração acelerado, isto é, palpitações (o coração tem que bater mais rápido para enviar o oxigênio mais rapidamente aos órgãos a fim de compensar a redução da quantidade de oxigênio carrregado no sangue)
  • mal estar, tontura e desmaio
  • queda de cabelo
  • sonolência e dor de cabeça

Diagnóstico da anemia

Somente ter sinais e sintomas compatíveis com anemia não significa que a pessoa tenha anemia, já que outras doenças podem causar este quadro, o médico deve confirmar com um hemograma.

 A série vermelha do hemograma completo ou Eritrograma

Os números a serem avaliados são:

  • Número de glóbulos vermelhos: os valores normais variam de acordo com o sexo e a idade.
    • valores normais em homem de 5.000.000 – 5.500.000 /mm3
    • valores normais em mulher de 4.500.000 – 5.000.000 /mm3
  • Hematócrito: é um índice, uma porcentagem do volume total de todos os componentes do sangue. Os valores também variam com o sexo e a idade.
    • valores normais em Homem de 40 – 50%
    • valores normais em Mulher de 36 – 45%
    • recém-nascidos têm valores altos que vão abaixando com a idade até o valor normal de um adulto.
  • Hemoglobina:
    • valores normais em Homem de 13 – 18 g/dL
    • valores normais em Mulher de 12 – 16.5 g/dL
  • VCM (Volume Corpuscular Médio): é o índice que indica o tamanho das hemácias. Saber o tamanho da hemácioa ajuda no diagnóstico da anemia:
    • se pequenas (< 80 fl, para adultos) são chamadas de microcíticas. As anemais microcíticas mais comuns são a anemia por deficiência de ferro e as síndromes talassêmicas;
    • se grandes (> 96 fl, para adultos) são chamadas de macrocíticas. As anemias macrocíticas mais comuns são as anemias por deficiência de vitamina B12 ou ácido fólico;
    • e se são de tamanho normal (80 – 96 fl) são camadas de normocíticas. As anemias normocíticas geralmente estão relacionadas às doenças crônicas.
  • HCM (Hemoglobina Corpuscular Média): é o peso da hemoglobina na hémácia. O intervalo normal é 26-34 pg. Geralmente o resultado varia na mesma direção que o CHCM.
  • CHCM (concentração de hemoglobina corpuscular média): é a concentração da hemoglobina dentro de uma hemácia. O intervalo normal é de 32 – 36g/dl. A coloração da hemácia depende da quantidade de hemoglobina. Saber a concentração de hemoglobina, portanto, a cor da hemácia também ajuda no diagnóstico:
    • hemácias hipocrômicas se menor que 31,5%: comum na anemia por deficiência de ferro
    • hemácias hipercrômicas se menor que 36%: comum nas anemias por deficiência de vitamina B12 ou ácido fólico;
    • hemácias normocrômicas se entre 31,5 e 36%: comum nas anemias relacionadas às doenças crônicas
  • RDW (Red Cell Distribution Width): é um índice que indica a variação de tamanho da hemácia, sendo o normal de 11 a 14%

O laboratório também diz a forma da hemácia, se está normal ou se apresenta algum formato peculiar que pode indicar uma doença específica.

Os valores de referência citados acima podem variar conforme o laboratório, mas não costumam ser muito diferentes destes.

Conforme o tipo de anemia, o médico solicitará outros exames para verificar a causa

O tratamento da anemia

O tratamento vai depender da causa e da gravidade da anemia.

A prevenção da anemia

No caso das anemias por carência nutricional, a pessoa pode reduzir o risco de desenvolver anemia se tiver uma alimentação saudável e equilibrada que forneça todas as vitaminas e outros nutrientes, como ferro.

Fazer uso de suplementos somente se o médico recomendar, pois algumas vitaminas e o ferro em exagero podem causar outras doenças.

As melhores fontes de ferro e vitamina B12 são a carne vermelha e alimentos enriquecidos.

Vegetais verde-escuros, frutas secas, como passas, damascos e ameixas secas, feijões e lentilhas são também boas fontes de ferro.

Produtos lácteos e ovos são uma boa fonte de vitamina B12.

As melhores fontes de ácido fólico são os vegetais verdes, como brócolis, couve de Bruxelas, aspargo e ervilhas. Grão de bico e arroz integral também são boas fontes de ácido fólico.

Referências