MICOSE DE UNHA ou ONICOMICOSE

Por todos os sintomas e também por questões estéticas que afetam a autoestima, a micose de unha afeta a qualidade de vida.

A micose de unha, ou onicomicose, é uma infecção por fungos nas unhas das mãos ou dos pés.

A onicomicose pode causar dor, desconforto e deformação da unha e pode produzir limitações físicas e ocupacionais graves.

micose de unha

Micose de unha

Para uma leitura mais abrangente sobre micose de pele, recomendamos o texto MICOSE DE PELE: Infecções por Fungos.

Este artigo é um resumo do artigo MICOSE DE UNHA: Sinais e Tipos de Onicomicose.

Sinais mais comuns de micose de unha:

  • Espessamento da pele abaixo da unha, o que é chamado de hiperceratose subungueal
    M

    Micose de unha

  • A unha pode estar frágil, quebradiça ou irregular
  • A unha pode ficar deformada, isto é, distrófica
  • A unha pode se tornar quebradiça e pode desintegrar-se, especialmente após trauma.
  • A unha pode parecer opaca, sem brilho
  • Pode ter cor escura
  • Na micose de unha superficial, a alteração apresenta-se como uma placa de giz branco na lâmina ungueal, quase exclusivamente nas unhas dos pés.
  • Unhas infectadas também podem descolar-se do leito ungueal e haver a perda da unha.
  • A pessoa pode sentir dor em seus dedos ou perceber um odor desagradável.
    micose de unha branca

    Micose de unha superficial

Os fatores de risco para micose de unha

Os fatores de risco podem de difícil controle (pessoais, dependentes do ambiente e independentes do comportamento) ou de controle possível (não pessoais e dependentes do comportamento).

Fatores de difícil controle

  • Idade – os adultos são 30 vezes mais propensos do que as crianças (a micose de unha afeta 2,6% das pessoas menores de 18 anos e quase 90% das pessoas com mais de 70 anos).
  • Imunossupressão – doença ou medicamentos que suprimem a resposta imune aumentam a probabilidade de ocorrer micose de unha.
  • Diabetes mellitus – pessoas com diabetes mellitus têm maior risco ter micose de unha (leia sobre diabetes mellitus).
  • Ter outra micose de pele – infecção fúngica cutânea co-existe com micose de unha em cerca de 30 % dos casos.
  • Trauma prévio da unha.
  • Clima quente e úmido – morar ou trabalhar em local quente e úmido favorece o desenvolvimento da micose.

Fatores de controle possível

  • Uso de calçado fechado.
  • Umidade local frequente – contato com água diversas vezes por dia
  • Andar descalço em locais públicos com água empoçada – como em piscinas, banho em academia.
  • Contato com material contaminado – como em manicure/pedicure.

As unhas dos pés são mais afetadas, pois costumam ficar confinadas em um ambiente escuro, quente e úmido dentro dos seus sapatos – onde os fungos podem prosperar.

Muitas vezes não adianta somente tratar a micose, mas deve-se mudar esse ambiente que facilita o desenvolvimento dos fungos.

A circulação sanguínea diminuída para os dedos dos pés, em comparação com os dedos das mãos faz com que seja mais difícil para o sistema imunológico do corpo detectar e eliminar a infecção.

Micose por Candida

Micose por Candida com inflamação ao redor

Onicomicose por Candida

A invasão por Candida não é comum, ela somente consegue penetrar se a defesa local está baixa, isso pode ocorrer em diabéticos ou em pessoas que têm contato frequente com água e produtos de limpeza.

A micose de unha por Candida ocorre em três tipos diferentes: paroníquia por Candida (“unheiro”), abscesso subungueal e distrofia total da unha

Paroníquia por Candida (“unheiro”)

Aparece inicialmente como edema, eritema e dor na dobra ungueal, de onde pode sair pus, às vezes.

Além disso, a lâmina ungueal fica distrófica com manchas opacas ou descoloração (branco, amarelo, verde ou preto), com sulcos transversais. Normalmente, a pressão sobre a unha provoca dor.

A maioria dos casos é nas unhas das mãos – geralmente o dedo do meio.

Abscesso subungueal

O abscesso subungueal aparece associado à micose subungueal lateral distal que pode levar a perda da unha.

Distrofia total da unha

A distrofia (destruição) afeta todas ou uma grande proporção das unhas, associada com candidíase mucocutânea crônica.

Toda a unha pode engrossar e ficar deformada.

Exames Micológico (“exame dos fungos”)

O exame micológico pode ser a microscopia direta ou a cultura de fungos.

Na microscopia direta, um ”raspado” do local é colocado numa lâmina e examinado no microscópio.

Na microscopia direta não é possível identificar o fungo específico envolvido na onicomicose, somente a sua presença.

Na cultura de fungos, o “raspado” é colocado em material (meio de cultura) que favorece o seu crescimento, podendo, assim, ser identificado o fungo.

Pode levar várias semanas para mostrar o resultado, geralmente de 4 a 6 semanas.

Um resultado micológico negativo não descarta a micose de unha, porque a microscopia direta pode ser negativa em até 10% dos casos e a cultura em até 30 % dos casos.

Até mesmo os resultados positivos devem ser interpretados com cautela, já que alguns fungos podem existir como saprófitas (colonizadores), ao invés de uma infecção.

Complicações da micose de unha

Fase terminal

  • Deformação da unha com dano estético e funcional
  • Paroníquia que é uma inflamação da região ao redor da unha.
  • Uma micose na unha do pé é porta de entrada para bactérias e pode ser um risco grave de infecção bacteriana secundária.
  • Para quem tem diabetes mellitus, esta situação pode até evoluir para a amputação do dedo ou até do pé.
  • Dor e limitação da função, particularmente em pessoas idosas.
  • Ao deixar a unha quebradiça, a micose de unha pode fazer com que a unha “lascada” penetre na pele e cause inflamação e unha encravada.

Para saber mais sobre unha encravada leia o nosso artigo Unha Encravada: Causas e o que Fazer para Evitar e Tratar.

Prevenção da micose de unha

Medidas de higiene podem limitar a propagação e prevenir recaídas:

  • Deve-se tratar outras infecções fúngicas, tais como o pé de atleta.
  • Não andar descalço em ambientes públicos, como piscinas, vestiários e ginásios.
  • Substituir calçados velhos, pois poderiam estar contaminados com esporos de fungos.
  • Secar bem os pés, inclusive entre os dedos, depois do banho
  • Evitar trauma nas unhas.
  • Evitar compartilhar a mesma toalha.
  • Usar meias de algodão e mudar as meias diariamente (ou mais de uma vez por dia, se os pés transpiram excessivamente).
  • Tirar os sapatos, ocasionalmente, durante o dia e após o exercício.
  • Deixar os sapatos secando por 24 horas antes de usá-los novamente.
  • Usar um antifúngico spray ou em pó para pulverizar ou regar os pés e os interiores dos sapatos.
  • Usar luvas de borracha. Isso protege as mãos de superexposição à água. Entre os usos, deve-se virar as luvas de borracha de dentro para fora para secar.
  • Escolher um salão de manicure e pedicure confiável. Deve-se certificar que o salão esteriliza os seus instrumentos. Melhor ainda é levar os próprios instrumentos, contratar somente a mão-de-obra.
  • Lavar as mãos depois de tocar uma unha infectada. O fungo pode se espalhar de unha a unha.

Para ler sobre o tratamento de micose de unha vá em TRATAMENTO DE MICOSE DE UNHA (ONICOMICOSE)

Referências