HIV e AIDS: 11 Perguntas Mais Frequentes

Há quase 40 anos, a AIDS ou SIDA, uma infecção pelo vírus HIV, é uma doença bem conhecida entre os médicos, mas ainda gera muitas dúvidas nas pessoas comuns.

A AIDS ou SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida), causada pelo vírus da imunodeficiência humana – HIV, tem suas origens em macacos africanos.

De acordo com uma teoria amplamente aceita, o vírus HIV infectava somente estes macacos, mas, devido a uma mutação, passou a ser capaz de infectar humanos.

Um estudo de 2014 sugere que a doença passou a afetar os seres humanos no início do século passado, tornou-se uma pandemia em 1920 no Congo, em seguida, viajou para o Haiti na década de 1960 e para os Estados Unidos mais tarde.

A doença tornou-se generalizada no Ocidente na década de 1980.

11 Perguntas mais frequentes sobre HIV e AIDS:

1. Qual a diferença entre HIV e AIDS?

HIV é a sigla, em inglês, de vírus da imunodeficiência humana que é um vírus que ataca o sistema imunológico.hiv

AIDS, da sigla em inglês que quer dizer síndrome da imunodeficiência adquirida, é a doença que o HIV causa.

Ser portador do vírus HIV não significa ter AIDS, mas quase todas as pessoas com HIV sem tratamento desenvolverão AIDS.

2. Como o HIV passa de uma pessoa para outra?

As formas de alguém ser contaminado são:

  • Ter relações sexuais (anal, vaginal ou oral) com uma pessoa infectada;
  • Compartilhamento de agulhas com alguém que tem o vírus;
  • Transfusão ou contato com sangue e derivados contaminados pelo vírus;
  • Mulheres infectadas podem passar para seus bebês antes ou durante o nascimento, e através da amamentação.

3. O preservativo pode prevenir a infecção pelo HIV?

O preservativo pode evitar o HIV e outras doenças

O preservativo pode evitar o HIV e outras doenças

Quando usados regularmente e corretamente, os preservativos são muito bons em evitar a propagação do vírus durante a relação sexual, embora não dê a proteção perfeita.

As formas mais seguras de evitar o contágio são: estar em um relacionamento de longo prazo com um único parceiro fiel que foi testado negativo e…   …não ter relações sexuais.

O preservativo, ou camisinha, também pode evitar outras doenças sexualmente transmissíveis como o HPV que pode levar ao câncer de colo de útero nas mulheres e a câncer anal e no pênis nos homens, além de verrugas genitais no homens e mulheres.

4. É possível contrair HIV no sexo oral?

Sim, é possível, tanto para quem está dando ou recebendo sexo oral, principalmente se houver feridas nas mucosas. Use preservativo também no sexo oral.

5. É possível contrair HIV no sexo anal?

Sim. Na verdade, o sexo anal sem preservativo é uma forma muito arriscada. Qualquer um dos parceiros pode ser infectado.

O sexo anal é mais arriscado que o vaginal, devido à falta de preparo anatômico da região para a penetração, sendo mais um motivo para usar camisinha e lubrificante à base de água para diminuir a chance de que isso aconteça.

6. Como a pessoa pode saber se tem HIV? Quais os sintomas?

Muitas pessoas infectadas não têm quaisquer sintomas por muitos anos. A única maneira de saber se a pessoa está infectada é fazer o teste.

A pessoa não deve esperar que os sintomas apareçam. Se ela acha que tem possibilidade de estar infectado, deve procurar descobrir logo que isso acontecer, pois terá mais opções de tratamento e cuidados para ajudar a evitar que desenvolva a AIDS.

Alguns testes rápidos em Unidades Básicas de Saúde podem dar resultados em 20-60 minutos.

Ao contrair o HIV, no início pode parecer um caso de gripe. Os primeiros sintomas incluem:

  • Dor de cabeça
  • Diarréia
  • Febre
  • Náusea e vômito
  • Fadiga
  • Podem haver manchas vermelhas na pele sem coceira

Esses sintomas, que duram até algumas semanas, significam que o sistema imunológico está tentando combater o vírus. São sintomas inespecíficos e pensar em HIV somente se a pessoa tenha sido exposto a uma situação de risco de infecção.

Após essa primeira fase de sintomas gripais, o vírus parece ficar latente. Esta é a segunda etapa, que pode durar uma década.

Na terceira fase, as células de defesa caem a níveis tão baixos que a pessoa pode desenvolver doenças fatais como infecções de difícil controle e certos tipos de tumores, como o sarcoma de Kaposi (um câncer de pele).

7. Quanto tempo depois de ter contraído o HIV o teste será positivo? Quanto tempo esperar para fazer o teste após acreditar que foi infectado?

A maioria das pessoas desenvolverá anticorpos suficientes para testar positivo dentro de 2 a 8 semanas após serem expostos ao vírus. A média é de 20 dias a 25 dias. Mesmo assim, há algumas pessoas que podem levar mais tempo.

Se o teste for negativo nos primeiros 3 meses, deve ser feito outro teste aos 6 meses.

8. Por que todas as mulheres grávidas devem ser testadas para o HIV?

As mães portadoras do vírus que recebem tratamento durante a gravidez têm uma chance muito menor de transmitir o HIV para seu bebê antes, durante ou após o nascimento.

Quanto mais cedo começar o tratamento, mais eficaz é.

9. E se o teste for positivo para o HIV? O que fazer?

Primeira coisa é não achar que o mundo acabou. Hoje em dia existem medicamentos muito eficazes em controlar a infecção.

O tratamento médico precoce e um estilo de vida saudável podem ajudar a pessoa a permanecer bem, com uma melhor qualidade de vida.

A pessoa precisará tomar os medicamentos contra o HIV exatamente como indicado e tomar medidas para que outros não se infectem com o vírus, como o uso incondicional de preservativo.

10. Quanto tempo demora o HIV para causar AIDS?

Quanto tempo leva para os sintomas da AIDS aparecer varia muito de pessoa para pessoa. Depende de coisas como a saúde em geral e como a pessoa está cuidando de si mesmo.

Em princípio, cerca de metade das pessoas com HIV desenvolverá AIDS dentro de 10 anos após serem infectadas. Mas cada pessoa é única e tudo depende de como ela cuida da sua saúde.

hiv-2

11. AIDS tem cura?

Não há cura para a AIDS e não há como eliminar o HIV ainda. No entanto, o tratamento pode controlar o HIV e permitir que as pessoas vivam uma vida longa e saudável.

Referências