CISTITE: Infecção Urinária na Bexiga

Cerca de metade das mulheres terão uma infecção do trato urinário, como a cistite em algum momento de sua vida.

A cistite é uma infecção bacteriana que faz com que a bexiga fique inflamada.

Isso acontece quando as bactérias entram na bexiga através da uretra, o tubo que transporta a urina para fora do corpo.

É mais comum nas mulheres, mas homens e crianças também também pode ter.

Sobre a cistite

A cistite é um tipo comum de infecção do trato urinário inferior.

O trato urinário consiste em rins, ureteres (os tubos que conectam cada rim com a bexiga), bexiga e uretra (tubo que leva a urina para fora do corpo)..

Rins e ureteres fazem parte do trato urinário superior; bexiga e uretra do trato inferior.

A infecção urinária pode comprometer somente o trato urinário baixo, o que especifica o diagnóstico de cistite, ou afetar simultaneamente o trato urinário inferior e o superior. Neste caso, utiliza-se o termo infecção urinária alta, também denominada pielonefrite.

A infecção urinária baixa ou cistite pode ser sintomática ou não.cistite

Tanto a infecção urinária baixa como a alta podem ser agudas ou crônicas e sua origem pode ser comunitária ou hospitalar.

Causas

A maioria das infecções do trato urinário é causada pela bactéria Escherichia coli (E. coli), que geralmente vive inofensivamente no intestino e causa mais de oito em cada 10 episódios de cistite.

A cistite ocorre mais frequentemente em mulheres, porque elas têm uma uretra mais curta que os homens e, por isso, com menor distância entre o orifício da uretra e o ânus, onde as bactérias normalmente vivem.

Essas condições facilitam a entrada de bactérias na bexiga.

Existem muitas maneiras pelas quais as bactérias podem entrar no trato urinário e causar infecção, que incluem o seguinte:

  • Relação sexual – Durante a relação sexual, as bactérias podem passar para a bexiga. A uretra também pode sofrer atrito durante o sexo, o que pode causar sintomas semelhantes à cistite.
  • Higiene – As mulheres têm uretras mais curtas do que os homens, de modo que as bactérias têm uma distância mais curta para viajar antes de atingir a bexiga em comparação com os homens. A uretra também está mais próxima do ânus, o que torna mais fácil a bactéria passar do ânus para a uretra.
  • Gravidez – Na gravidez, o útero pode exercer pressão extra sobre a bexiga. Isso poderia impedir a bexiga de esvaziar completamente. A presença de pequenas quantidades de urina na bexiga poderia estimular o crescimento das bactérias.
  • Diabetes mellitus – Em quem tem diabetes, a urina pode conter mais açúcar do que o habitual. Isso pode estimular as bactérias a crescer na bexiga e na uretra.
  • Menopausa – Depois de passar pela menopausa, os tipos de bactérias que geralmente vivem inofensivamente na vagina podem mudar, aumentando o risco de a mulher ter cistite.
  • Estar com sonda (cateter) na uretra – As bactérias podem entrar na bexiga através da sonda. A bexiga e a uretra também podem sofrer trauma quando o cateter é inserido, o que pode aumentar o risco de infecção bacteriana.
  • Contracepção com métodos de barreira – Usar diafragma revestido ou com espermicida pode aumentar o risco de cistite. O diafragma pode evitar que a bexiga esvazie adequadamente, o que pode estimular o crescimento das bactérias.
  • Pedras na bexiga – Elas podem impedir a bexiga de esvaziar completamente, o que pode estimular o crescimento das bactérias.
  • Próstata aumentada – Nos homens, uma causa comum de cistite é urinar com menos frequência porque a próstata está aumentada.
  • Anormalidades do trato urinário – Certas condições podem afetar a estrutura do trato urinário e isso pode aumentar o risco de cistite.

Sinais e sintomas

Os sintomas da cistite incluem:cistite

  • Dor ou ardência para urinar (disúria)
  • Necessidade freqüente e urgente de urinar, mas só conseguindo urinar pouca quantidade cada vez, ficando com sensação de esvaziamento incompleto (polaciúria)
  • Urina turva ou escura
  • Sangue na urina – visível ou detectado no exame de urina
  • Dor na parte inferior do abdome (pelve)
  • Urina com odor forte ou fétido
  • Indisposição
  • Pode haver febre ou não
  • Pessoas idosas podem apresentar confusão mental

A dor da cistite pode ser muito leve. Ou, em algumas pessoas, pode ser tão forte que pode afetar suas atividades diárias.

Pessoas idosas podem não apresentar sintomas e a cistite pode ser descoberta ao fazer um exame de urina por outros motivos, ou após desenvolver complicações.

Em crianças, além dos sintomas acima, algumas podem ter febre, diminuição do apetite e vômitos.

Diagnóstico

Diagnóstico clínico

O diagnóstico clínico é a observação dos sinais e sintomas compatíveis com cistite.

Diagnóstico laboratorial

A infecção urinária é caracterizada pelo crescimento de bactérias na cultura de urina.

cistite

1. Exame de urina com sedimento urinário – A presença de leucócitos, hemácias e bactérias podem confirmar o diagnóstico clínico. Os valores encontrados são, habitualmente, proporcionais à intensidade da infecção.

2. Urocultura (cultura de urina) – A cultura de urina quantitativa poderá fornecer, na maioria dos casos, o agente causador da infecção.

3. Antibiograma – É um teste de sensibilidade in vitro a antimicrobianos. O antibiograma revela quais os antibióticos são potencialmente eficazes contra a bactéria.

4. Exames de imagem – A ultra-sonografia, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética têm indicação restrita àqueles casos de cistite ou pielonefrite não resolvidos. Assumem maior importância para o diagnóstico de complicações e, também, para evidenciar alterações estruturais e/ou funcionais do sistema urinário.

Tratamento

Os antibióticos, como o trimetoprim/sulfametoxazol e as quinolonas, são freqüentemente usados ​​para tratar a cistite. Mas o antibiograma pode indicar qual o antibiótico mais eficaz caso a caso.

Os sintomas geralmente começarão a melhorar em poucos dias após o início dos antibióticos e a infecção será resolvido no prazo de oito dias.

Se os antibióticos não funcionam, é possível que a pessoa tenha um tipo diferente de cistite, chamada cistite intersticial. Esta é uma condição de longo prazo em que há inflamação em crônica na bexiga. Não é causada por bactérias, portanto não pode ser tratada com antibióticos.

Complicações

Complicações da cistite incluem o seguinte:

  • Pielonefrite – Se a infecção se estende da bexiga para os rins. Também chamada de infecção urinária alta.
  • Prostatite – Se a infecção vai para a próstata, pode ocorrer uma prostatite.

Cistite e gravidez

A cistite na gestação pode levar a parto prematuro.

Prevenção

Para prevenir a cistite:

cistite

  • Certifique-se de beber água o suficiente.
  • Use roupas íntimas feitas de materiais naturais, como algodão ou linho – não use tiras.
  • Depois de ir ao banheiro, limpe de frente para trás.
  • Vá para o banheiro assim que sentir vontade, não segure a urina por muito tempo.
  • Lave sua área genital antes da relação sexual.
  • Vá ao banheiro para urinar logo depois da relação sexual, se puder, para ajudar a expulsar qualquer bactéria.
  • Se for adequado às suas circunstâncias, use um método de contraceptivo não barreira (como a pílula anticoncepcional) que não requer espermicida.
  • Consuma cranberry – O cranberry é uma fruta que acidifica a urina e torna difícil para a E coli, a bactéria mais freqüente neste tipo de patologia, aderir às paredes da bexiga, o que evita infecções de urina. A dose recomendada de fruta é de 36mg por dia, que podem ser tomadas como preparações farmacêuticas em cápsulas ou ampolas.

A diferença entre cistite bacteriana e cistite intersticial

A cistite intersticial (também conhecida como síndrome da bexiga dolorosa) é diferente da cistite bacteriana.

É uma condição de longo prazo em que há inflamação crônica na bexiga.

Como os sintomas são semelhantes à cistite, pode ser difícil diferenciar. Mas a cistite intersticial não é causada por bactérias, portanto não pode ser tratada com antibióticos.

Outros tratamentos que podem ajudar incluem o seguinte:

  • Medicamentos anti-inflamatórios, como aspirina ou ibuprofeno, podem ajudar a aliviar a dor.
  • Medicamentos antiespasmódicos podem ajudar a controlar os sintomas de espasmo da bexiga. Eles podem reduzir a necessidade de ir ao banheiro com muita frequência.
  • Medicamentos antidepressivos podem ser úteis.