Câncer de pele NÃO-MELANOMA

O câncer não-melanoma é tumor maligno mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país.

Quando se fala em câncer de pele, a referência principal é o melanoma.

Mas há outros tipos de tumores além do temido melanoma, que, embora malignos, não são tão letais como este.

Estes tumores estão reunidos em um grupo chamado de câncer não-melanoma.

O câncer de pele não-melanoma inclui tipos de câncer que começam nas células escamosas ou da camada basal da epiderme, enquanto o melanoma surge dos melanócitos. Melanócitos são as células que produzem melanina, o pigmento responsável pela cor da pele.

O câncer de pele não-melanoma geralmente se desenvolve em áreas do corpo que são regularmente expostas ao Sol, como braços, colo, face, e nas mulheres, as pernas. Mas pode surgir mais em outras áreas também.

O melanoma é o tipo mais grave de câncer de pele. Leia sobre melanoma aqui.

A pele

A pele é o órgão mais extenso do corpo e tem a função de proteção, sendo a primeira barreira contra o calor, a radiação ultravioleta do sol, os ferimentos e as infecções.

Também ajuda a controlar a temperatura do corpo.

É na pele que a vitamina D é produzida.

CANCER DE PELE

Camadas da pele

A pele tem duas camadas: epiderme e derme.

Abaixo fica o tecido subcutâneo, onde estão os adipócitos que armazenam gordura.

Epiderme

A epiderme é a camada superior da pele. acima da derme.

A epiderme tem camadas diferenciadas. conforme o aspecto de suas células. O leito dessas camadas da epiderme é a camada basal com células mais arredondadas.

A célula principal da epiderme é o queratinócito, que faz a cobertura da pele. Também na epiderme estão os melanócitos.

Derme

A derme está localizada abaixo da epiderme.

Na derme estão vasos sanguíneos, vasos linfáticos e glândulas, as glândulas sebáceas e as sudoríparas.

Os pelos emergem da derme.

Tipos de câncer de pele não-melanoma

O câncer de pele pode formar-se em qualquer uma das células da pele na epiderme.

Os dois tipos principais de câncer de pele não-melanoma são carcinoma basocelular e carcinoma de células escamosas.

Há vários outros tipos de câncer não-melanoma, mas são muito raros e representam somente 1% do total.

Carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular é um tipo de câncer que começa nas células da camada basal da epiderme.CANCER DE PELE

É a forma mais comum de câncer de pele, correspondendo a mais de 70% das neoplasias malignas de pele.

Os carcinomas basocelulares crescem lentamente e geralmente não se espalham para outras partes do corpo.

A malignidade do carcinoma basocelular é local, avançando sobre a pele normal ao redor do tumor e ganhando tamanho cada vez maior.

Estes tipos de câncer são mais comuns em pessoas de meia-idade e idosos, e muitas vezes surgem no rosto, mas podem aparecer em qualquer parte.

Carcinoma de células escamosas

O carcinoma de células escamosas (ou carcinoma espinocelular) é um tipo de câncer que começa nas células escamosas da epiderme.

Os carcinomas de células escamosas geralmente crescem mais rapidamente do que os carcinomas basocelulares e podem raramente se espalhar para outras partes do corpo, mas este risco geralmente é restrito a pessoas com a imunidade muito baixa, como as que estão em uso de medicamentos imunossupressores depois de um transplante.

Como carcinomas basocelulares, os carcinomas de células escamosas geralmente ocorrem em locais onde a pele foi mais exposta ao Sol.

Pode também surgir de cicatrizes antigas ou feridas crônicas da pele em qualquer parte do corpo.

CANCER DE PELECANCER DE PELECANCER DE PELE

Sinais e sintomas de câncer de pele não-melanoma

A pessoa deve desconfiar de câncer de pele não-melanoma nos seguintes casos:

  • Surgimento de nódulo de coloração rósea, avermelhada, branco perolado ou escura, de crescimento lento, porém progressivo;
  • Lesão na pele de crescimento progressivo, que apresente coceira, sangramento, mas sem dor significativa;
  • Qualquer ferida que não cicatrize em 4 semanas;
  • Surgimento de escama na pele que engrosse progressivamente;
  • Lesão rósea com borda elevada e parte central com crosta;
  • Cicatriz com área branca, amarela ou cerosa, e bordas mal definidas;
  • Mancha persistente, escamosa, vermelha, com bordas irregulares, que sangram facilmente;
  • Lesão elevada com superfície áspera e depressão central.

Na dúvida, procure um dermatologista.

Sol e câncer de pele

A exposição excessiva à radiação ultravioleta (UV) do sol é uma das principais causas de todos os tipos de câncer de pele.

No câncer de pele não-melanoma, o risco é na intensa exposição ao sol ao longo do tempo (contínua); enquanto no melanoma, o risco é com períodos de exposição intermitentes e intensos.

Prevenção do câncer de pele não-melanoma

A forma de prevenção é a mesma para o melanoma.

  • Usar roupas adequadas, incluindo chapéu de abas largas e óculos de sol com proteção ultravioleta.
  • Evitar a exposição ao sol entre às 10h e às 16h.
  • Usar protetor solar com fator de proteção solar (FPS) de pelo menos 30 e alta proteção UVA (pelo menos 4 estrelas) nas áreas expostas (não somente no rosto), reaplicando a cada 2 horas, se exposto ao sol.
  • Não usar câmaras de bronzeamento artificial. A intensidade dos raios UV pode ser mais forte do que as do sol no meio-dia.

Como a radiação UVA também traz dano à pele e ela atravessa as nuvens, o protetor solar também deve ser usado em dias nublados.

Enfim, o uso de protetor solar FPS 30 com proteção UVA deve ser usado diariamente, não importando se dentro de casa e em dia nublado.

A presença de ceratoses actínicas deve ser tratada, pois são consideradas lesões pré-malignas para o desenvolvimento de carcinoma de células escamosas.

As ceratoses actínicas são lesões geralmente ásperas nas áreas expostas.

Existe cura para o câncer de pele não-melanoma?

O tipo mais grave de câncer de pele é o melanoma.

Os cânceres de pele não-melanoma geralmente podem ser curados e são raramente ameaçadores para a vida.

Mas exatamente o quão grave é um câncer de pele dependerá do tipo de câncer que é e se ele se já se espalhou no momento em que é diagnosticado.

Os carcinomas basocelulares quase sempre podem ser curados.

Eles podem ser mais difíceis de tratar se foram deixados por um longo período de tempo ou se estão em um lugares de difícil técnica cirúrgica.

É muito comum ocorrer novos carcinomas basocelulares em pessoas que já tiveram e até foram curadas deste tumor.

Mas é extremamente raro que os carcinomas basocelulares se espalhem.

A maioria dos carcinomas de células escamosas também são de baixo risco e geralmente podem ser curados.

No entanto, um número muito pequeno de carcinomas de células escamosas pode se espalhar para outras partes do corpo. Esses cânceres podem ser fatais, principalmente em imunossuprimidos.

Referências